24 de nov de 2017

Publicado em: ,

Litoral de SP tem 100 vezes mais cocaína no mar do que a costa dos EUA

destaques meio ambiente
Novos dados de pesquisa mostram ainda que concentração da droga na baía de Santos está prejudicando a reprodução e o crescimento dos animais.




Coleta de água ocorre no meio do baía de Santos, SP, desde 2014 (Foto: Divulgação)

Os mais recentes resultados de uma pesquisa que estuda a presença de cocaína e de produtos farmacêuticos na baía de Santos, no litoral de São Paulo, indicaram que essas substâncias prejudicam a reprodução de animais. A Autoridade ambiental do Estado solicitou, nesta quinta-feira (23), detalhes do trabalho que foi divulgado pelo G1. De acordo com os pesquisadores, a quantidade de cocaína encontrada é 100 vezes maior do que a achada no litoral dos EUA

A pesquisa foi iniciada em 2014 com o objetivo de identificar a presença de fármacos na água em uma região próxima de onde é despejado o esgoto doméstico, previamente tratado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Mas entorpecentes também foram encontrados dissolvidos.
O trabalho é coordenado pelo professor doutor Camilo Seabra Pereira, com pesquisadores da Universidade Santa Cecília (Unisanta) e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A coleta da água ocorre rotineiramente entre 3,5 e 4,5 quilômetros da costa, ao centro da baía de Santos, e em uma área de navegação.

Os resultados desse estudo inicial, que se transformou em um artigo científico no último mês, comprovou que o contato dessas substâncias impacta na reprodução e no crescimento de moluscos. "Alguns processos são desregulados e nós conseguimos comprovar isso, confirmando o impacto pelo descarte", diz.
O despejo desses materiais no mar, segundo o pesquisador, ocorre pois o tratamento do esgoto foca em retirar materiais sólidos e micro-organismos. "Para na etapa de pré-condicionante, pois no Brasil é assim. Os fármacos e as drogas não são considerados contaminantes, então não são detectados no processo".
Segundo Seabra, a quantidade de cocaína no mar de Santos chega a ser 100 vezes maior daquela constatada na baía de São Francisco, nos Estados Unidos. "Isso acontece em razão do tratamento do esgoto, que chega a uma terceira fase [nos EUA], onde há uma maior descontaminação do material antes de chegar ao oceano".


Mexilhão aberto para retirada de órgãos para análises químicas e bioquímicas (Foto: Luciana Guimarães/Arquivo Pessoal)

O pesquisador afirma que o estudo é inédito na costa brasileira, que deve registrar situações semelhantes fora do litoral paulista. "Em todo o lugar que tiver grande concentrações urbanas e emissário de esgoto, os indicativos devem ser semelhantes, o que nos alerta para a necessidade de um sistema de tratamento novo de resíduos".
Camilo explica ainda que os fármacos e os entorpecentes ilícitos são considerados "contaminantes emergentes" e, por isso, também não estão indicados no protocolo seguido pelas agências sanitárias brasileiras. "Mas nos Estados Unidos e nos países da Europa, já ocorre a descontaminação desde 2015", afirma.

Diante nos novos resultados, divulgados na quarta-feira (23), a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou que solicitou formalmente uma cópia dos estudos para também investigar o que acontece nessa região. A estatal é responsável por monitorar a balneabilidade das praias paulistas.


Pesquisadores de duas instituições analisam a água da baía de Santos, SP (Foto: Divulgação)

O professor afirma que os banhistas devem ficar despreocupados, uma vez que não foram encontrados concentração dessas substâncias em praias. "Mas uma nova fase do estudo, previsto para acontecer no início de 2018, vai verificar se o consumo desses animais contaminados prejudica de alguma forma as pessoas".
O estudo, que é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp), prevê que no próximo ano também sejam coletados animais marinhos para análise. Até dezembro, pelo menos, os trabalhos concentram-se na coleta de amostras de água em diversas profundidade na baía de Santos.
Por meio de nota, a Sabesp confirmou que fármacos e entorpecentes não são removidos no tratamento de esgoto, conforme dispõe a legislação brasileira. "A cidade de Santos possui padrão europeu de saneamento e está entre as quatro melhores do país no setor, segundo Instituto Trata Brasil".

Por José Claudio Pimentel, G1 Santos - https://g1.globo.com/sp/santos-regiao

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: