17 de jun de 2017

Publicado em:

Regeneração natural é estratégia para a restauração florestal de baixo custo

destaques


Estudos da Agroicone mostram que proprietários de terras com alto e médio potencial de regeneração podem se valer desta alternativa

A agenda de restauração florestal vem ganhando força no Brasil, especialmente por conta da nova lei florestal brasileira – que completa cinco anos em 2017– e que traz um grande desafio aos produtores rurais: manter a sua atividade agrícola combinada com a conservação ou restauração de vegetação nativa em Áreas de Preservação Permanente (APPs) e Reservas Legais (RLs).

Essa incumbência, que não resulta apenas no cumprimento do Código, mas caminha lado a lado com os objetivos globais em prol do controle da mudança do clima, pode contar com alternativas de baixo custo extremamente efetivas.

De acordo com o estudo Restauração Florestal em Cadeias Agropecuárias para Adequação ao Código Florestal da Agroicone, as áreas podem ser recompostas pelo plantio de mudas, semeadura direta e regeneração natural, ativa e passiva. “Além de plantar mudas de espécies nativas, o produtor poderá escolher outras formas de restauração, considerando o diagnóstico da área e os recursos disponíveis. Nosso estudo apresenta os custos das diferentes técnicas, em diferentes condições e regiões do País. São informações-chave para desenhar estratégias de fomento a restauração florestal”, afirma Laura Antoniazzi, coordenadora do trabalho.

A regeneração natural, ativa e passiva, são técnicas de baixo custo que podem ser aplicadas somente em áreas com alto e médio potencial de regeneração, ou seja, nos locais com quantidade e riqueza de espécies nativas. “A regeneração natural passiva, que não possui nenhuma intervenção humana, apresenta custo zero. Basta que o produtor realize o cercamento da área, no caso de haver animais ou outros agentes de degradação, e espere a ação da natureza. Já a ativa necessita de investimentos para a contenção de plantas invasoras que impedem o crescimento das espécies que cresceriam naturalmente”, destaca.

É importante ressaltar que o estudo realizou o levantamento de custos de restauração florestal em quatro regiões do País – Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Bacia dos Tapajós, Matopiba e São Paulo. Nesta última, por exemplo, os valores envolvidos na regeneração natura ativa, semeadura direta e plantio de mudas foi, respectivamente, de R$ 902, R$ 3.585 e R$ 8.349 por hectare, em condições planas.

Em linhas gerais, o estudo aponta que em comparação com as demais técnicas disponibilizadas para a restauração florestal, a regeneração ativa (em áreas de médio potencial de regeneração) possui um custo médio até quatro vezes menor do que a semeadura direta e até dez vezes menor que o plantio de mudas.

Como complemento à análise, tendo em vista melhor informar todos os interessados na cadeia agropecuária de restauração, a Agroicone lança o Guia de Plantas da Regeneração Natural do Cerrado e da Mata Atlântica. “A ideia deste guia é despertar o olhar de produtores rurais, técnicos e restauradores de campo para a regeneração natural como mais uma técnica de restauração”, relata o autor Paolo Sartorelli.

A publicação apresenta 102 espécies nativas, entre árvores, arvoretas, arbustos, subarbustos e palmeiras, que crescem espontaneamente ao nosso redor. “Pelo menos 12 milhões de hectares precisam ser reflorestados no País. Por isso, análises de custos de restauração florestal e guias de espécies nativas, destacando suas ocorrências e principais características, são contribuições não apenas para ações privadas, mas, principalmente, para o embasamento de políticas públicas”, finaliza Laura.

Os estudos estão disponíveis para download gratuito no site do INPUT (Iniciativa para o Uso da Terra). Para mais informações, acesse:

http://www.inputbrasil.org/publicacoes/restauracao-florestal-em-cadeias-agropecuarias-para-adequacao-ao-codigo-florestal/
http://www.inputbrasil.org/publicacoes/guia-de-plantas-da-regeneracao-natural-do-cerrado-e-da-mata-atlantica/

Sobre a Agroicone

Fundada em 2013, pela união de um grupo de especialistas do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ICONE) que, desde 2003, produz estudos e pesquisas aplicadas e promove debates qualificados em temas do agronegócio brasileiro e mundial. A Agroicone atua nas áreas de economia agrícola, bioenergia, conservação ambiental, comércio e negociações internacionais, trabalhando junto ao setor privado brasileiro e com diversas organizações internacionais de pesquisa e de políticas públicas. Mais informações: www.agroicone.com.br

(#Envolverde)

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |:

Fechar