7 de mai de 2017

Publicado em:

Vigília reúne milhares em Umuarama (PR) contra as mudanças climáticas

destaques
À luz de velas, noite foi marcada por orações e pela presença de refugiados climáticos vindos do Haiti, que hoje buscam no Brasil oportunidades de trabalho e vida mais dignas.



UMUARAMA, PARANÁ — Uma noite de emoção, fé e esperança. Esse foi o clima que reuniu cerca de três mil pessoas neste sábado (06) em frente à Catedral do Divino Espírito Santo em Umuarama, Noroeste do Paraná, durante a Grande Vigília pela Criação e pelos Refugiados Climáticos. Inspirados pela Encíclica Laudato Si e pelos ensinamentos do Papa Francisco, mulheres e homens, crianças e jovens estiveram unidos em oração para pedir que governos, igrejas, universidades, indústrias e outras instituições desinvistam de projetos ligados a combustíveis fósseis, e promovam ações efetivas para cuidar da Casa Comum.

“Nós estamos mostrando às pessoas a destruição que a indústria dos combustíveis fósseis causa com as emissões de gases que agravam o aquecimento global e como ela está colocando em risco a existência da vida neste planeta. Unidos podemos corrigir a rota e exigir dos governantes que abandonem imediatamente os combustíveis fósseis e trilhem o caminho das energias renováveis”, afirmou Nicole Figueiredo de Oliveira, diretora da 350.org Brasil e América Latina.

Não é por acaso que Umuarama foi escolhida para sediar esta ação da campanha internacional pelo desinvestimento. Em 04 de outubro de 2016, Dia de São Francisco de Assis, sete instituições católicas de peso ao redor do mundo anunciaram publicamente seus compromissos com o desinvestimento. Na ocasião, a Diocese de Umuarama foi não só a primeira Diocese como também a primeira instituição da América Latina a aderir à campanha.

Além disso, o município de cerca de 100 mil habitantes é conhecido por ter acolhido os refugiados climáticos vindos do Haiti, um dos países mais impactados pelas mudanças climáticas no mundo. Mais de 130 famílias são atendidas pela Igreja Católica na cidade após fugirem da destruição causada por furacões, aumento do nível do mar e secas que impedem a produção de alimentos. Todos esses impactos agravaram a pobreza que atinge mais de 80% da população e levaram milhares de haitianos a deixar sua terra natal.

Em fevereiro deste ano, a comunidade haitiana que vive em Umuarama sofreu com a morte prematura de Dorothie Chery, aos 32 anos. Durante a Vigília, a história da refugiada emocionou os presentes. Nascida em Porto Príncipe, Dorothie deixou os dois filhos pequenos e toda a família para trabalhar no Brasil após o terremoto de 2015. Sozinha no país há quase dois anos, ela morreu longe de sua pátria, dos filhos e amigos.

“A Vigília de oração e fé é um momento para que cresça a consciência e consigamos reverter essa escalada de descuido da natureza que tanta tragédia provoca. Se não há nenhuma intervenção nossa, a tendência é crescer”, disse Dom Frei João Mamede Filho, Bispo da Diocese de Umuarama. “Somos responsáveis pela nossa Casa Comum e não podemos apenas explorá-la e usá-la desmedidamente. Desejo que todo mundo saia dessa Vigília mais feliz, pois todos juntos podemos melhorar o cuidado com a Mãe Terra e diminuir o aquecimento global”, enfatizou.

Engajamento

“A participação de crianças e jovens na organização e atividades culturais da Vigília é fundamental para garantir que a mensagem do desinvestimento ultrapasse gerações e possa significar uma mudança de paradigma em termos de geração energética”, ressaltou Reginaldo Urbano Argentino, coordenador da Campanha do Desinvestimento da 350.org Brasil e presidente da Cáritas Paraná.

Um coral de homens e mulheres, inclusive com a participação de crianças, deu o clima de emoção da Vigília, revelando que através de atividades lúdicas também é possível promover a reflexão. Além de música, integrantes da juventude católica fizeram preces, apresentações de dança e teatro, e encenaram o grito de esperança pelos continentes.

Foi feita também uma projeção mapeada na Catedral, com imagens que ressaltavam os impactos das mudanças climáticas. O efeito das luzes e mensagens projetadas pela Lumen Audiovisual, parceira da Diocese de Umuarama e da 350.org Brasil, encantou os presentes e trouxe a real dimensão da tragédia e destruição que os combustíveis fósseis promovem no mundo. A vigília contou ainda com as transmissões ao vivo feitas pela TV UP, da Universidade Paranaense (Unipar), e pela Rádio Inconfidência de Umuarama.

A ação em Umuarama faz parte da Mobilização Global pelo Desinvestimento, promovida pela 350.org Brasil e América Latina em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), representada pela Diocese de Umuarama, Cáritas Paraná e COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida.

Até o dia 13 de maio serão realizadas mais de 130 ações em diversos países nos seis continentes. O objetivo é expor publicamente a responsabilidade da indústria dos combustíveis fósseis no aquecimento global, que por sua vez intensifica as mudanças climáticas, e lembrar que, com união, as populações podem exercer influência sobre a tomada de decisão nos diversos setores da sociedade.

###

CONTATO: Nathália Clark, Coordenadora de Comunicação da 350.org Brasil e América Latina, nathalia@350.org / +55 61 98160-5551

Silvia Calciolari, Assessora de Imprensa da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida, silvia@naofrackingbrasil.com.br / +55 41 99967-3416

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |:

Fechar