25 de mar de 2017

Publicado em:

Fracking, não!

destaques
A exploração de gás de folhelho se torna a vilã ambiental mais temida desta década. Entenda como ela atua, silenciosamente, para dizimar o solo, o ar e as águas da Terra.



Fim do verde: desde 2005 foram furados mais de 137 mil poços para extração de gás de folhelho nos EUA, cuja infraestrutura montada danificou mais de 2,7 milhões de hectares de matas


Olá, eu sou Gaia, a Mãe Terra. Tenho 4,5 bilhões de anos. Eu sei quantas gotas de água existem nos meus oceanos, rios e nascentes. Também sei quantas árvores já nasceram e morreram em meu solo. Em todo esse tempo, vi milhões de seres surgirem. Sofri por aqueles que foram extintos. Mas também vibro com os que resistem, todos os dias, para fazer deste paraíso natural que ofereço a vocês um lugar mais bonito.Fim do verde: desde 2005 foram furados mais de 137 mil poços para extração de gás de folhelho nos EUA, cuja infraestrutura montada danificou 

Deixo meus filhos, de todas as espécies, correrem e voarem livres diariamente em minhas florestas, beberem da minha água e se alimentarem das plantas e dos frutos que germinam do meu solo.

Como mãe de todos vocês, sei do que precisam.

Nunca neguei cuidado.

E, se em algum momento vocês passam frio, fome ou calor em excesso, foi porque a minha natureza teve seus ciclos desrespeitados e interrompidos. Não posso interferir no livre-arbítrio de vocês. Mas, como mãe, é meu dever alertá-los de que toda ação ruim provoca uma reação ainda pior. Apesar do que já disseram a meu respeito, eu não sou vingativa. Sou justa, reativa. E a pedagogia para quem destrói é a dor.

Tenho sofrido com o desmatamento, as queimadas e a poluição dos meus recursos naturais por séculos. No entanto, nas últimas décadas, um novo e terrível serial killer ganhou força e vem me causando danos, alguns deles irreversíveis: o fracking.

Estou falando do “fraturamento hidráulico”, uma prática utilizada para realizar perfurações no solo (de 137 metros a 3.200 metros abaixo da superfície) e em rochas para extração de gases não convencionais. São eles: o gás confinado, que pode ser encontrado em rochas impermeáveis ou com baixa permeabilidade. O metano, que ocorre entre camadas de carvão mineral e é até 86 vezes mais poluente que o dióxido de carbono. O hidrato de metano, que se concentra em áreas sedimentares marinhas com mais de 500 metros de lâmina de água. E, finalmente, o gás de folhelho, também conhecido como “shale gas”, e que erroneamente é confundido com gás de xisto.

Seu processo de agressão à minha natureza é doloroso. Por meio de uma tubulação, é injetada na minha pele – o solo – uma mistura com grandes quantidades de água e solventes químicos com potencial cancerígeno. A pressão feita nas minhas rochas é tão grande que elas explodem e se fragmentam. E, para que o buraco não se feche novamente, ele também recebe areia (isso mesmo, areia!) para evitar que o terreno ceda ao mesmo tempo em que o gás de folhelho (o mais viável comercialmente, junto com o metano) é extraído.



Esta areia misturada com a água e os solventes forma o chamado “fluido de fracking”. Ele contém nada menos que 250 mil litros de água com até 700 produtos químicos, incluindo substâncias prejudiciais à saúde, como urânio, mercúrio e ácido hidroclorídrico. O problema maior é que, caso essa mistura letal escape da tubulação, ela pode provocar alta contaminação no solo e nas minhas águas subterrâneas, que também saciam a sede de vocês, dos outros animais, abastecem rios e contribui para a manutenção da vida biodiversa que me compõe.

Vocês acreditam que para perfurar um poço para extrair gás de folhelho são consumidos de 17 a 35 milhões de litros de água no total? E que essa enorme quantidade do recurso é transportada para o local de fraturamento por caminhões a diesel, provocando ainda mais impactos ambientais?

Para se ter ideia, 35 milhões de litros de água são suficientes para abastecer uma cidade de 20 mil habitantes por quase dez dias! Sem contar que, além disso, o processo de exploração emite mais metano. E minhas florestas dão lugar às torres de perfuração (em cada uma delas há aproximadamente 18 poços perfurados em um raio de até 3,5 quilômetros), às áreas de estacionamento e manobra de caminhões, e às estradas abertas (mais um convite ao desmatamento) para o transporte do gás.

Mas não é só isso.

Eu, Gaia, também sofro com os tremores de terra (leia mais a seguir) causados pela perfuração desses poços. É o que aconteceu com parte de mim em Youngstown, Ohio, nos Estados Unidos, em 2011, quando a injeção de águas residuais no processo de extração do gás provocou um terremoto de quatro pontos na Escala Richter. O fato foi confirmado por sismólogos da Universidade de Columbia. Em 2009, nos estados de Alabama e Montana, foram mais de 50 tremores acima de três pontos. Um ano depois, foram 87. Em 2011, 134.

Em Oklahoma, o número chegou a 109 terremotos de menor intensidade em 2013. Um ano depois, a coisa desandou: foram 585. É como se estivessem me provocando um Mal de Parkinson. Agonizante e progressivo. Vocês não se entristecem quando um parente de vocês sofre ou morre vítima dessa doença? É justo fazer isso comigo, quando já existem fontes mais limpas e sustentáveis de produção de energia?

MAL “MENOR”

Não pensem que o gás de folhelho vai baratear a produção de energia no Brasil. Tampouco vocês devem acreditar que este gás é um mal “menor” em relação aos outros combustíveis fósseis. Se isso acontecer, o país corre sério risco de acabar como os Estados Unidos, hoje o maior produtor desse gás (seguido de Canadá, Argentina e China), mas também um novo e terrível grande vilão do meio ambiente e da minha natureza.

É o que comprova Margie Alt, diretora-executiva da ONG Environment America, no estudo “Fracking By The Numbers” (“O fracking em números”). Nele, ela mostra o cenário de destruição que a prática provocou, silenciosamente, aos recursos naturais da terra do Tio Sam nos últimos 12 anos.


Desde 2005, pasmem vocês, mais de 137 mil poços de fracking foram abertos nos EUA. Meus pulmões, caros terráqueos, foram poluídos com 2,4 bilhões de quilos de metano lançados na atmosfera, mesma quantidade produzida por 22 usinas de carvão em um ano, em apenas um estágio da implantação da plataforma de extração (o “acabamento” do poço).

Mais.

Meus rios e águas subterrâneas perderam mais de 904 bilhões de litros de água. Quase 53 bilhões de litros de fluido de fracking foram gerados. Também não dá para esquecer da infraestrutura antiecológica montada para dar suporte à extração do gás de folhelho, que já danificou mais de 2,7 milhões de hectares de florestas...


É este o cenário que vocês, brasileiros, querem para mim? Faço minhas as palavras do Juliano Bueno de Araújo, coordenador de Campanhas Climáticas da 350.org e fundador da Coesus (Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida): “O Brasil tem um grande potencial para a geração de energias mais seguras e sustentáveis como a solar, eólica, pequenas centrais hidrelétricas e de biomassa. Não há justificativa para se insistir numa matriz suja e perigosa, que troca água por energia”.

Fonte: http://www.revistaecologico.com.br/

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: