2 de mar de 2017

Publicado em:

Conheça os diversos segredos dos iglus

variedades
Ao Norte da Terra, fica um dos lugares mais inóspitos e hostis: o Ártico.




Com temperaturas tão baixas, é um ambiente difícil de sobreviver. Durante o inverno a região passa meses congelada e existem poucas plantas comestíveis. No entanto, muitas pessoas vivem por lá. Elas dependem do conhecimento no meio no quão estão inseridas e até mesmo vivem entre a vida e a morte.



A cidade de Ilulissat, na Groenlândia, os inuítes, pessoas que pertencem à nação indígena esquimó, festejam o retorno do Sol todos os anos, pois eles passam meses sem ver a luz do astro. Um fato curioso é que o Sol volta a iluminar o céu daquela região aos 13 minutos da 13º hora do 13º dia de janeiro.



No Polo Norte os habitantes não teriam chances de sobreviver sem abrigo. Portanto, quando a temperatura está abaixo dos -20ºC, um iglu pode significar a diferença entre a vida e a morte. Os pais ensinam seus filhos ainda crianças a construir essas pequenas casas de gelo.Por exemplo, eles mostram como cortar a neve e que tipo deve ser usada. Também explicam como os blocos devem ser unidos para que a casa não desabe.



Eles ainda ensinam que um bom iglu deve deixar a luz entrar e ao mesmo tempo deixar o vento para fora. Confira como fazer um iglu passo a passo! O iglu é casa perfeita para aqueles que vivem na região do ártico, por serem feitos com materiais conseguidos facilmente. Os iglus tradicionais da região de Igloolik, na região ártica do Canadá possuem características que os tornam ainda mais adequados.



1 – Neve

O iglu é feito de neve e mais nada e, como em qualquer construção civil, a qualidade do material pode interferir no resultado da obra.Portanto, a neve deve estar firme e seca para ser manuseada facilmente e cortada com uma serra.


2 – Isolamento térmico

Os esquimós cercam o iglu com neve até a altura da primeira fileira de blocos, para proteção. Essa técnica ajuda a manter o iglu termicamente isolado.


3 – Plataforma

Para dormir em um iglu é preciso fazer uma cama, que é uma espécie de plataforma de neve com 60 centímetros de altura.Com uma cama alta é possível aproveitar o ar quente, que sobe. Uma lamparina de óleo também esquenta o ambiente, mas é necessário que ela não suba muito a temperatura pois as paredes podem derreter.

4 – Duto de ventilação

Para fazer o ar circular dentro do iglu, é preciso fazer um pequeno buraco de mais ou menos três quartos da altura do iglu. Essa técnica mantém o iglu seco pois deixa sair o vapor produzido pela respiração dos moradores.


5 – Entrada

A entrada do iglu começa na parte interna da parede da casa, que é a parte mais fria, mas na sala de estar, a temperatura fica mais alta.

6 – Estrutura

O iglu é construído em forma de espiral e isso significa que o primeiro círculo de blocos é colocado um pouco mais inclinado para o interior. Depois que essa etapa é concluída, uma inclinação é esculpida na parte superior dos blocos para que as próximas camadas formem uma espiral. Essa técnica de construir em espiral dá sustentação ao iglu. O teto é feito deixando apenas uma pequena abertura na parte de cima da espiral. Para finalizar, é preciso cortar um pedaço de neve com o mesmo formato da abertura.

Fonte: http://www.jornalciencia.com

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |:

Fechar