14 de fev de 2017

Publicado em:

Um rio chamado Amazonas

histórias
Quando se trata de números, o Rio Amazonas não tem nada de modesto. Ainda bem!


Rio Amazonas - Crédito: Shutterstock

Quando se trata de números, o Rio Amazonas não tem nada de modesto. Ainda bem! Essa dádiva hídrica cruza a maior floresta tropical do planeta, a Amazônia. Recebe água de mais de mil afluentes, alguns deles, com mais de 1.600 quilômetros de extensão. E possui profundidades que variam entre 50 e 120 metros! Saiba mais a seguir:

Antepassado

Num passado remoto, o ancestral do rio Amazonas já desaguou no Caribe. Pelo menos essa foi a conclusão a que chegaram pesquisadores que encontraram fósseis de três gêneros de bagres extintos em áreas desérticas no noroeste da América do Sul. “O rio só teria conseguido mudar seu trajeto, perder seu braço que ia para o norte e passar a correr para o leste, como é seu curso atual, após o fim do longo processo de soerguimento da porção mais setentrional dos Andes. A consolidação da grande cadeia de montanhas teria empurrado as águas do Amazonas para longe de sua porção caribenha, que secaria para sempre e se tornaria uma zona árida”, segundo informações divulgadas na edição 216 da revista Pesquisa Fapesp.

Grandioso

O Amazonas é considerado o rio mais extenso do mundo, com 6.992,06 quilômetros de extensão, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Fica à frente do Rio Nilo, a dádiva do Egito, que possui 6.852,15 quilômetros.

Riqueza fluÍda

Estima-se que o maior rio do mundo é responsável por 15% a 20% da água doce despejada nos oceanos. Volume que carrega em si uma riqueza orgânica que serve de alimento para os organismos marinhos. Anualmente, o Rio Amazonas transporta até 27 milhões de toneladas de matéria orgânica para regiões do Atlântico distantes da costa. Esses detritos são constituídos por queimadas, restos de plantas, animais e seres vivos microscópicos da floresta que chegam ao rio levados pelo vento e pela chuva.

Vários nomes

O Amazonas nasce na Cordilheira dos Andes, no Peru, e deságua no Oceano Atlântico, junto ao Rio Tocantins, no Delta do Amazonas, localizado no norte brasileiro. Da nascente à foz, o Amazonas tem diferentes nomes, tais como: Apurimac, Ene, Tambo e Ucayali. Ao entrar no Brasil, na cidade de Tabatinga (AM), é chamado de Solimões e se estende até a confluência com o Rio Negro, próximo a Manaus, onde enfim recebe o nome de Amazonas.

Descoberta

Em 2016, pesquisadores noticiaram uma outra grande descoberta sobre o Amazonas. A 200 quilômetros da desembocadura do rio, escondido sob uma espessa pluma de sedimentos, existe um enorme e rico recife de corais. Estima-se que ele se estenda por 900 quilômetros da costa, entre o Maranhão e a Guiana Francesa. Em suas águas turvas existem espécies endêmicas, algumas delas, esponjas com até dois metros de diâmetros que pesam mais de 100 quilos.

Fonte: http://www.revistaecologico.com.br

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: