13 de mar de 2016

Publicado em:

Desastre no Litoral do Paraná completa 5 anos, ainda em meio a incertezas

destaques
Em Antonina, restam as ruínas das casas abandonadas porque ofereciam riscos aos moradores

Chuvas causaram destruição em Antonina e Morretes, em 2011. Famílias ainda se recuperam do tropeço.

Há exatos cinco anos, o mundo do estivador Celso Sérvolo Veloso estava desmoronando. Morador de Antonina, ele foi um dos milhares de prejudicados por chuvas contínuas no Litoral do Paraná em março de 2011, que causaram deslizamentos de terra, quatro mortes e muita destruição. No topo de um morro com vista para a baia, Veloso morava em meio às árvores e cercado pela família. Hoje vive em um conjunto de sobrados construído para os desalojados.

“A gente ainda dorme com medo.” Veloso ainda não acredita que a quantidade de chuva que caiu do céu encharcou o chão e fez os terrenos desmoronarem. “Pra mim foi aquele negócio do Japão”, se referindo ao terremoto e ao tsunami que aconteceram no mesmo dia, no outro lado do mundo. Os japoneses reconstruíram parte do país em menos de um ano, mas os problemas causados na usina nuclear de Fukushima são sentidos até hoje.

Já no Litoral do Paraná, os efeitos são outros. Depois de dois anos morando em abrigos improvisados ou em casa de parentes, muitos dos atingidos pela tragédia receberam um lar. A Cohapar, com ajuda de recursos federais, ergueu 88 sobrados em Antonina, 50 casas em Paranaguá e 85 em Morretes. Algumas construções continuam sem o muro e sem o revestimento do piso, que não foram feitos pelo governo.

Mas muitas pessoas alegam que foram prejudicadas pelos desmoronamentos daquele 11 de março e não foram indenizadas. É o caso do pintor Adilson Pereira, que morava de aluguel num dos pontos de deslizamento e hoje continua num abrigo improvisado, com dois filhos e dois netos. É a queixa também do pastor Antônio de Freitas Castro Neto, que faz questão de mostrar os documentos da casa que o deslizamento de terra destruiu.


“A casa aqui é melhor do que a que eu tinha, mas não dá para aumentar”, lamenta Veloso. “A vantagem é o asfalto”, acrescenta. Ele só ainda não conseguiu se acostumar com o barulho de morar quase no centro da cidade, em meio ao ronco dos carros e dividindo parede com vizinhos. “A gente tinha mais liberdade, e silêncio pra dormir”, conta. No local onde o estivador morava hoje tem um talude, um muro de arrimo de dezenas de metros, coberto de grama e salpicado de canos de drenagem. Ao visitar a área pela primeira vez desde que foi forçado a sair, ele se enche de lembranças. “Aqui tinha um limoeiro, uma bananeira e a minha casa”, aponta.

Apesar das queixas pontuais, Veloso está no time daqueles que ficaram felizes com a mudança. Não é o caso do construtor Valmir Cesário do Carmo. Ele alega que tinha uma casa de 150 metros quadrados, avaliada em R$ 200 mil e que, como os demais vizinhos em Antonina, recebeu um sobrado de 42 metros quadrados. “Até o ano passado ainda estavam me cobrando IPTU de lá, de um lugar que me tiraram, que não me deixam mais morar”, lamenta.

Governo garante que fez todo o possível
O governo estadual, que ficou responsável pela gestão dos recursos destinados para a recuperação do Litoral do Paraná, garante que fez tudo o que era possível com os R$ 70 milhões reservados para o trabalho. À época dos deslizamentos, a estimativa de custos era de R$ 89 milhões, mas os valores foram recalculados pois vistorias técnicas apontaram que alguns danos nas cidades eram anteriores a data dos desmoronamentos. O governo federal repassou R$ 24,9 milhões e R$ 45 milhões foram aplicados pelo tesouro estadual.

O governo federal também alega que todas as pontes que foram apontadas dentro do rol de obras emergenciais foram reconstruídas e que não há previsão de mais obras, tendo em vista que tudo o que foi previsto no plano de trabalho foi executado. Já a Cohapar informa que não há a previsão de entrega de casas para outros eventuais atingidos pelo desastre de março de 2011.

Para relembrar

Uma sequência de dias chuvosos culminou, no dia 11 de março de 2011, com desliza­mento de encostas e enchentes em cinco cidades do Litoral paranaense.

Pontes desabaram, comunidades ficaram isoladas, ruas viraram rios, pedras rolaram dos morros, entulhos carregados pela correnteza causaram quilômetros de estragos e casas vieram abaixo e precisaram ser abandonadas às pressas.



4 pessoas morreram

Mil pessoas ficaram desabrigadas

No total, 18 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas

Fonte: Defesa Civil Estadual. Infografia: Gazeta do Povo.

Fotos: Marco Lima e Henry Milleo/Gazeta do Povo

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/


Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: