19 de mar de 2016

Publicado em:

As crateras submarinas 'explosivas' que podem estar ligadas a naufrágios não explicados.

variedades
Crateras foram encontradas no fundo da região central do mar de Barents (Foto: Reuters)

Cientistas identificaram no leito do Mar de Barents, na costa norte da Noruega, cavidades de quase um quilômetro de diâmetro que seriam causa de explosões submarinas de gás.

Um estudo da Universidade Ártica da Noruega descobriu crateras gigantescas no fundo do Mar de Barents, ao norte da Noruega e da Rússia - de quase um quilômetro de diâmetro e profundidade de 30 metros.

"Existem múltiplas crateras gigantes no fundo da parte ocidental-central do mar de Barents e elas provavelmente são a causa de enormes explosões de gás. É provável que esta zona de crateras seja um dos maiores pontos de fuga de metano marinho no Ártico", informou a equipe de pesquisadores em um comunicado.

Os pesquisadores já adiantaram que as crateras explicam os relatos de vários pescadores da região que afirmam ter visto bolhas no mar, como se a água estivesse fervendo, sem nenhuma razão aparente.

A conferência na qual os pesquisadores apresentarão a descoberta, em abril, abordará também os riscos que estas explosões de gás representam para a navegação e se essas explosões e bolhas poderiam ser a causa de naufrágios registrados na região.

Especialistas como o cientista Igor Yelstov, do Instituto Trofimuk, na Rússia, chegaram a questionar se um fenômeno parecido não poderia ser o responsável pelo misterioso desaparecimento de navios no Triângulo das Bermudas - a milhares de quilômetros de distância do Mar de Barents.
Yelstov disse que várias teorias sugerem que os desaparecimentos de navios nesta área do oceano Atlântico entre Miami, Porto Rico e as Ilhas Bermudas podem ter ocorrido devido à reação dos hidratos de gás do fundo submarino.

Mas Karin Andreassem, da Universidade Ártica da Noruega e também diretora-assistente do Cage (Centre for Arctic Gas Hydrate, Environment and Climate) rejeitou estas teorias.
"Descobrimos muitas crateras grandes no fundo da região central do mar de Barents. Análises sugerem que a liberação de gás metano, quando o gelo recuou após a última Era do Gelo, formou estas crateras. Ainda temos que publicar estes resultados, então é tudo preliminar. O que posso dizer é que não estamos fazendo nenhuma ligação com o Triângulo das Bermudas", afirmou.
'Crateras gigantescas'

"As crateras são gigantescas, de até um quilômetro de diâmetro e 30 metros de profundidade, e são evidências da liberação de gás no fundo do mar", disse Andreassen. "Essa liberação pode ser ligada ao degelo dos hidratos de gás - o que é metano em forma de gelo - que se encontravam sob o leito marinho depois do fim da última Era do Gelo. Mas as condições durante a última Era do Gelo não podem ser comparadas com o que vemos hoje", acrescentou.
Os especialistas darão mais detalhes sobre a descoberta em abril, na Conferência Anual da União Europeia de Geociência.

O Triângulo das Bermudas ficou famoso graças aos misteriosos desaparecimentos, mas outras investigações concluíram não ser comprovado que navios e barcos afundem mais nesta região do que em outras.

Um estudo encomendado em 2013 pela rede WWF descobriu que as regiões mais perigosas do planeta para a navegação ficam no Mar do Sul da China, no Mediterrâneo e no Mar do Norte.
O Triângulo das Bermudas nem está entre os dez primeiros da lista, apesar de ser uma das regiões de maior tráfego naval do mundo.

Fonte: http://g1.globo.com/natureza

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: