10 de set de 2015

Publicado em: ,

Pimenta vermelha ajuda a emagrecer e diminuir doenças cardiovasculares

destaques saúde

Vai uma pimentinha? A primeira espécie, trazida da Índia, pode crescer até oito centímetros de comprimento. A pimenta chocolate, marrom, é diferente, é mais doce. Mas não se iluda – ela também não é páreo para qualquer um.



Vai uma pimentinha? A primeira espécie, trazida da Índia, pode crescer até oito centímetros de comprimento. A pimenta chocolate, marrom, é diferente, é mais doce. Mas não se iluda – ela também não é páreo para qualquer um.

E elas são o xodó do Seu Gilson. O agricultor é um dos únicos a cultivar a espécie em Turuçu, no sul gaúcho, a terra da pimenta. Na propriedade, a colheita é farta – e tirada do pé com todo o cuidado.

A espécie é uma das pimentas mais ardidas do mundo. É chamada, por isso, de “pimenta nuclear”. É tão forte, mas tão forte, que para colher, quem não está acostumado precisa usar luvas de borracha.

Para entender a magnitude desse cheiro, imaginem que pra neutralizar uma gotinha dessa pimenta são necessários um milhão de gotas de água. E é justamente esse o segredo. Quanto mais ardida a pimenta, melhor para a nossa saúde. É por causa da capsaicina! O princípio ativo da pimenta vermelha diminui o risco de doenças cardiovasculares e ainda ajuda a emagrecer, porque acelera o metabolismo.

No mercado público de Belo Horizonte, as pimentas são um sucesso. Uma explosão de cores que atiça paladares corajosos. É uma questão de gosto, ainda mais quando se fala de um outro tempero que muita gente torce o nariz: o coentro – folhinhas rendadas que lembram a salsa, mas só no visual. Coentro é saúde. A especialista em alimentos funcionais da Unicamp, Glaucia Pastore, diz que ele é um protetor natural das células. Consegue absorver até metais pesados que provocam doenças.

Especialista dá dicas e conta curiosidades sobre temperos

Saiba como fazer o suco contra estresse

Globo Repórter: Quais são as suas receitas simples para quem quiser fazer em casa?
Glaucia Pastore, cientista de alimentos da Unicamp: É um suco que se chama antistress. Então esse antistress vai levar pepino, porque esse pepino tem substâncias calmantes, para fazer os vasos ficarem mais dilatados e vão, o conjunto de pepino, de aipo e de coentro vai fazer com que o organismo sinta menos o efeito do hormônio do stress que é o cortisol.
Globo Repórter: E quanto de água coloca?
Glaucia Pastore: Uma média de um copo, um copo e meio. Geralmente no final da tarde.

O coentro faz parte da lista de temperos que a especialista acredita que deveriam estar mais na mesa dos brasileiros.

Globo Repórter: Eles têm poder para curar, ou só para prevenir doenças?
Glaucia Pastore: Eles têm as duas propriedades. Na verdade, nós, principalmente aqui no Brasil, utilizamos mais o conceito de prevenção para que não haja uma certa confusão e substituição de medicamentos com determinados alimentos.

E o pozinho mágico da canela? Ela é indicada para quem precisa controlar o nível de açúcar no sangue.

Glaucia Pastore: Ajuda o diabético a baixar a glicemia, mas também os atletas, porque faz com que o fígado absorva a glicose, portanto o glicogênio fica como reserva para quando ele vai fazer seu esporte.
Globo Repórter:Agora, eu queria ver com você um tempero que muita gente diz que é poderoso, potente: o cravo.
Glaucia Pastore: Tem propriedades de melhorar, ajudar na disfunção sexual masculina.

É claro que a cúrcuma, o orégano, o alecrim e o alho, que você viu durante o programa, não poderiam ficar de fora.

Globo Repórter: Quanto a gente deveria consumir? Existe essa conta?
Glaucia Pastore: Em geral, alguns alimentos funcionais, é muito importante a constância. Você, quando tem isso constantemente na dieta, o seu organismo, ele se prepara para a absorção, para transformação, você modifica a quantidade de bactérias importantes no intestino conforme a quantidade e conforme a frequência, melhor dizendo, que a gente utiliza.

Globo Repórter: Quer dizer, mais importante que a quantidade é a frequência?
Glaucia Pastore: É frequência, exatamente.

Quem é iniciante nesse universo dos temperos pode começar com ervas mais suaves, como a salsa, que é boa para o coração, afina o sangue e estimula a digestão. E o manjericão, com seus inúmeros benefícios.

“Preservação de pele, do fígado, do sistema gástrico como um todo, é realmente muito importante e muito saboroso”, afirmou Glaucia Pastore.

Saiba dicas e cuidados para quem deseja ter uma horta em casa

Se você também quer uma hortinha para chamar de sua, é preciso ter alguns cuidados.

Num apartamento em São Paulo, o manjericão e as outras plantas estão bem verdinhas e viçosas. Pegam de três a cinco horas de sol por dia. E se o espaço for pequeno, é preciso escolher bem o vaso.

“Plantas que precisam de mais profundidade, no caso de manjericão, alecrim, você precisa ter, no mínimo, 30 centímetros de profundidade”, afirma o agrônomo Marcelo Noronha.

Para drenar a água, coloque bolinhas de argila ou pedrinhas no fundo, uma camada fina de areia grossa e terra adubada. Pronto!

Globo Repórter: Rega todo dia, ou depende do tempero?
Marcelo Noronha, agrônomo: Se tiver muito calor, é todo o dia. Sempre no período da manhã, eu prefiro. Às vezes, tá seco na superfície e úmido embaixo. Aí a pessoa vai lá e molha de novo. E não é pra fazer isso. Tá molhado embaixo, para.

Pra que os temperos sobrevivam, o segredo é podar.

Marcelo Noronha: Sempre um corte, que a gente chama, apical, que é um corte com caimento. No caso da cebolinha, o que acontece, tem muita gente que fica cortando no meio. Você tem que cortar com dois dedinhos rente ao solo. Aí eu venho e vou cortando. Mesmo se você não usar, você deixa num copinho d’agua do lado da janela.
Globo Repórter: Quanto tempo dura na água?
Marcelo Noronha: Uns três dias.

E elas são o xodó do Seu Gilson. O agricultor é um dos únicos a cultivar a espécie em Turuçu, no sul gaúcho, a terra da pimenta. Na propriedade, a colheita é farta – e tirada do pé com todo o cuidado.

A espécie é uma das pimentas mais ardidas do mundo. É chamada, por isso, de “pimenta nuclear”. É tão forte, mas tão forte, que para colher, quem não está acostumado precisa usar luvas de borracha.

Para entender a magnitude desse cheiro, imaginem que pra neutralizar uma gotinha dessa pimenta são necessários um milhão de gotas de água. E é justamente esse o segredo. Quanto mais ardida a pimenta, melhor para a nossa saúde. É por causa da capsaicina! O princípio ativo da pimenta vermelha diminui o risco de doenças cardiovasculares e ainda ajuda a emagrecer, porque acelera o metabolismo.

No mercado público de Belo Horizonte, as pimentas são um sucesso. Uma explosão de cores que atiça paladares corajosos. É uma questão de gosto, ainda mais quando se fala de um outro tempero que muita gente torce o nariz: o coentro – folhinhas rendadas que lembram a salsa, mas só no visual. Coentro é saúde. A especialista em alimentos funcionais da Unicamp, Glaucia Pastore, diz que ele é um protetor natural das células. Consegue absorver até metais pesados que provocam doenças.

Especialista dá dicas e conta curiosidades sobre temperos

Saiba como fazer o suco contra estresse

Globo Repórter: Quais são as suas receitas simples para quem quiser fazer em casa?
Glaucia Pastore, cientista de alimentos da Unicamp: É um suco que se chama antistress. Então esse antistress vai levar pepino, porque esse pepino tem substâncias calmantes, para fazer os vasos ficarem mais dilatados e vão, o conjunto de pepino, de aipo e de coentro vai fazer com que o organismo sinta menos o efeito do hormônio do stress que é o cortisol.
Globo Repórter: E quanto de água coloca?
Glaucia Pastore: Uma média de um copo, um copo e meio. Geralmente no final da tarde.

O coentro faz parte da lista de temperos que a especialista acredita que deveriam estar mais na mesa dos brasileiros.

Globo Repórter: Eles têm poder para curar, ou só para prevenir doenças?
Glaucia Pastore: Eles têm as duas propriedades. Na verdade, nós, principalmente aqui no Brasil, utilizamos mais o conceito de prevenção para que não haja uma certa confusão e substituição de medicamentos com determinados alimentos.

E o pozinho mágico da canela? Ela é indicada para quem precisa controlar o nível de açúcar no sangue.

Glaucia Pastore: Ajuda o diabético a baixar a glicemia, mas também os atletas, porque faz com que o fígado absorva a glicose, portanto o glicogênio fica como reserva para quando ele vai fazer seu esporte.
Globo Repórter:Agora, eu queria ver com você um tempero que muita gente diz que é poderoso, potente: o cravo.
Glaucia Pastore: Tem propriedades de melhorar, ajudar na disfunção sexual masculina.

É claro que a cúrcuma, o orégano, o alecrim e o alho, que você viu durante o programa, não poderiam ficar de fora.

Globo Repórter: Quanto a gente deveria consumir? Existe essa conta?
Glaucia Pastore: Em geral, alguns alimentos funcionais, é muito importante a constância. Você, quando tem isso constantemente na dieta, o seu organismo, ele se prepara para a absorção, para transformação, você modifica a quantidade de bactérias importantes no intestino conforme a quantidade e conforme a frequência, melhor dizendo, que a gente utiliza.

Globo Repórter: Quer dizer, mais importante que a quantidade é a frequência?
Glaucia Pastore: É frequência, exatamente.

Quem é iniciante nesse universo dos temperos pode começar com ervas mais suaves, como a salsa, que é boa para o coração, afina o sangue e estimula a digestão. E o manjericão, com seus inúmeros benefícios.

“Preservação de pele, do fígado, do sistema gástrico como um todo, é realmente muito importante e muito saboroso”, afirmou Glaucia Pastore.

Saiba dicas e cuidados para quem deseja ter uma horta em casa

Se você também quer uma hortinha para chamar de sua, é preciso ter alguns cuidados.

Num apartamento em São Paulo, o manjericão e as outras plantas estão bem verdinhas e viçosas. Pegam de três a cinco horas de sol por dia. E se o espaço for pequeno, é preciso escolher bem o vaso.

“Plantas que precisam de mais profundidade, no caso de manjericão, alecrim, você precisa ter, no mínimo, 30 centímetros de profundidade”, afirma o agrônomo Marcelo Noronha.

Para drenar a água, coloque bolinhas de argila ou pedrinhas no fundo, uma camada fina de areia grossa e terra adubada. Pronto!

Globo Repórter: Rega todo dia, ou depende do tempero?
Marcelo Noronha, agrônomo: Se tiver muito calor, é todo o dia. Sempre no período da manhã, eu prefiro. Às vezes, tá seco na superfície e úmido embaixo. Aí a pessoa vai lá e molha de novo. E não é pra fazer isso. Tá molhado embaixo, para.

Pra que os temperos sobrevivam, o segredo é podar.

Marcelo Noronha: Sempre um corte, que a gente chama, apical, que é um corte com caimento. No caso da cebolinha, o que acontece, tem muita gente que fica cortando no meio. Você tem que cortar com dois dedinhos rente ao solo. Aí eu venho e vou cortando. Mesmo se você não usar, você deixa num copinho d’agua do lado da janela.
Globo Repórter: Quanto tempo dura na água?
Marcelo Noronha: Uns três dias.

Fonte: Globo Repórter - http://www.espacoecologiconoar.com.br/medicina-verde/

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: