20 de set de 2015

Publicado em:

Nova fábrica da Klabin vai gerar energia suficiente para abastecer uma cidade

meio ambiente

Uma indústria que além de produzir papel também gera energia – e muita, suficiente para abastecer uma cidade como Londrina, com mais de meio milhão de habitantes. Assim será a nova fábrica da Klabin, que está sendo construída em Ortigueira e deve começar a operar em março de 2016. Restos de madeira, água e produtos químicos usados na produção de celulose serão capazes de gerar até 330 megawatts. A título de comparação, a usina de Mauá, em Telêmaco Borba, inundou quilômetros de área e custou R$ 1,4 bilhão para gerar 361 megawatts.


Obra da fábrica em Ortigueira: autossustentável em energia.

O diretor de Planejamento, Projetos e Tecnologia Industrial da Klabin, Francisco Razzolini conta que partes das árvores não usadas na produção, como cascas e galhos finos, viram biomassa, queimada numa caldeira para gerar vapor. Depois de aplicados sulfetos (enxofre) e soda para dissolver a madeira, o resíduo é um líquido chamado de licor negro, rico também em lignina e açúcares da madeira. Ao final do processo, a água é evaporada, girando turbinas, e os compostos orgânicos são queimados. Sobram apenas os produtos químicos, que são reutilizados. O sistema ainda tem a vantagem de ser em circuito fechado – ou seja, os produtos usados são reaproveitados, sem resultarem em dejetos e efluentes. A fábrica, portanto, será autossuficiente em energias renováveis.

Da energia gerada, 120 megawatts serão usados na operação da indústria. Mas a empresa estima que, mesmo sem usar a capacidade máxima do sistema, será possível “devolver” ao sistema energético 150 megawatts – cenário que ficou ainda mais rentável com os recentes aumentos na energia elétrica. Assim, o investimento aproximado de R$ 600 milhões em todo o sistema de energia deve “se pagar” em cinco anos. Razzolini conta que será gerada mais energia em Ortigueira do que em Telêmaco Borba, onde a Klabin tem uma fábrica. Além dos avanços tecnológicos dos últimos anos, na indústria que está em funcionamento é produzida celulose marrom, que usa a lignina.

Fonte: Katia Brembatti - http://www.gazetadopovo.com.br/

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: