24 de set de 2015

Publicado em:

Evento na Câmara celebra 1.º aniversário da Memória Tropeira em Curitiba

notícias

Serão discutidas medidas para valorizar o movimento do tropeirismo no Paraná e na capital do estado.



Quadro de Aimé Taunay retrata um tropeiro no início do século 19


A busca pela revalorização do movimento tropeiro. Este é o objetivo do encontro que celebra o 1.º aniversário da Memória Tropeira que será realizado nesta sexta-feira (25) na Câmara Municipal de Curitiba a partir das 14 horas. O evento vai dar continuidades às ações propostas na Carta Tropeira de Curitiba, criada em setembro do ano passado. O documento prevê uma série de medidas para valorizar o movimento do tropeirismo no Paraná e na capital do estado. A carta também instituiu o Dia da Memória Tropeira, comemorado em todo 19 de setembro.

Segundo o presidente do Núcleo de Amigos da Terra e Água (Nata) e pesquisador do tropeirismo há 40 anos, Carlos Solera, a missão é resgatar, valorizar e divulgar a história do tropeirismo, que se iniciou a partir de 1730, e sua influência na formação e costumes do povo paranaense. “Haverá uma mesa redonda composta por historiadores, pesquisadores e representantes de diversos órgãos de educação e cultura, para uma debate sobre estes aspectos importantes da vida curitibana de antigamente”, conta ele.

Dentre as reivindicações apresentadas na Carta Tropeira, estão a criação da Frente Parlamentar em Apoio ao Tropeirismo e a transformação do Parque dos Tropeiros de Curitiba em Centro de Difusão Cultural, Estudos, Pesquisas e Capacitação Profissional. Além de apoio para realização de eventos ligados ao tropeirismo, como cavalgadas, festivais culturais e esportivos, encontros, congressos, exposições e projetos nas áreas educacional, cultural e turística.

A Carta deve ser incluída com outros documentos que, juntos, serão encaminhados ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e à Unesco para que o tropeirismo se torne patrimônio cultural da humanidade e também Patrimônio Imaterial Brasileiro.

Durante o encontro, será concedida a entrega de mais duas comendas ao professor Velocino Fernandes e ao jornalista Francisco Camargo. A reunião é aberta a todos os interessados.
O tropeirismo

O movimento, que começou por volta de 1730, registrou até o seu ápice, em 1897, quase 4 milhões de muares que foram do Rio Grande do Sul até a região de Sorocaba. Ao longo dos caminhos das tropas, diversas fazendas, chamadas de invernadas, eram alugadas para os animais se alimentarem e as tropas descansarem. Ao redor desses locais, muitas cidades foram surgindo, como Castro, Curitibanos, Ponta Grossa, Rio Negro e Lapa. A primeira grande feira de muares em Sorocaba aconteceu em 1750 e teve seu ápice até 1897.

Fonte: Diego Antonelli - http://www.gazetadopovo.com.br

Alfredo de Pontal

Autor & Editor

O portal Águas de Pontal abre as cortinas para mostrar o grande espetáculo da vida proporcionado pela Mãe Natureza e seus atores: o ser humano íntegro voltado à reconstrução.

 

Não perca nossas publicações...

Inscreva-se agora e receba todas as novidades em seu e-mail, é fácil e seguro!

Desenvolvido por YouSee Marketing Digital - Nós amamos o que fazemos
| Hosted in Google Servers with blogger technology |: